Month – junho 2013

Meu mundo perfeito

Só o que pode ser É Uma lira deitada que não aceita dedos. Cordas amadas e tocadas somente por martelinhos acolchoados. Acordes e ritmos de mãos e pés harmonizados por Mozart, Bach ou Tchaikovsky. O tempo do tempo certo, nem hoje, nem ontem, nem amanhã. Embaixo do céu há tempo para tudo, até para a […]

O Jardim de Monet

“A Ponte Japonesa” – Inverno de 1899. As nenúfares da casa de Giverny floresciam. Monet via realizar-se o projeto de dez anos, desde que adquirira a propriedade e contratara uma equipe de jardineiros para montar o cenário daquele que seria seu atelier ao ar livre até os últimos dias de sua vida. Existe a luz, […]

Carta Patente

26 de Junho de 1879, Lugar de Chancidro, Freguesia de Moreira, Concelho da Maia, Distrito do Porto, Portugal. Albino Moreira Cazeira nasceu, meu bisavô materno. Um mês antes de completar 20 anos, casou-se com Anna Rosa da Silva Moreira. Os dois primeiros filhos do casal nasceram ainda em Portugal, no lugar de Santa Luzia, nos […]

A insustentável leveza de ler

Ou, na impossibilidade de ser lido Com tanta dificuldade em se fazer lido, fico pensando no problema proposto em um artigo que li no New York Times, publicado no último sábado e que vem bem a calhar para reflexão nesta semana (para quem se interessar no artigo completo está em http://opinionator.blogs.nytimes.com/2013/06/01/does-great-literature-make-us-better/?hp). Ler boa literatura de […]